domingo, 4 de abril de 2010

JOAQUIM SANTOS E A SUA OBRA

“Braga perde um músico ímpar e compositor exímio”. Esta foi a afirmação do Sr. Arcebispo no dia do funeral e é, também, de todos quantos privaram com Joaquim dos Santos. Foi uma notícia inesperada e, em meu entender, demasiado precoce e escusada. Quem conhecia a “paixão” deste homem pela música e pelo exercício mental que o levava a um constante trabalho para satisfazer, gratuitamente, os pedidos que lhe faziam sabia que, após o primeiro indício de enfarte não o deviam ter deixado ir para casa durante uns tempos medicamente aceitáveis. Ele não resistia sem entrar no “santuário” do seu escritório. Não vivia para ele mas para os outros. Não procurava a fama mas a alegria de ver os outros felizes após a execução das suas obras. Claro que, como qualquer humano, gostava que o seu trabalho fosse reconhecido, com algumas palmas e muita alegria. Mas Deus assim o permitiu e, a partir de agora, não podemos fazer mais senão recordar a sua memória, pedir para que já esteja junto do Pai e seguir o seu exemplo executando, analisando e promovendo a sua obra para que, à maneira de Manuel Faria de cuja escola saiu este exímio compositor e vários outros de grande valor para a Música Sacra (e não só), também seja dada oportunidade a muitos dos seus admiradores de seguirem o caminho da Música Sacra e, mais adiante, estarem preparados para assumir os destinos da Música na Diocese. O tempo passa muito despressa. Temos de prevenir e preparar o futuro. Há talentos e sabemos onde eles estão. Há que apostar menos em “pedras” mortas e mais em “pedras” vivas. É uma virtude aplicar bem o dinheiro.
A propósito devo relembrar o pensamento e palavras de D. Jorge Ortiga no dia do funeral: “a vida do Padre Joaquim Santos foi isso mesmo: acolheu os talentos que Deus lhe deu e tornou-se, aos olhos d’Ele e dos homens, num músico ímpar e num compositor exímio” E continuou: “Deus é belo e Joaquim dos Santos, através da música, soube ser Sua testemunha”. E o Pastor conhece as carências da sua Diocese neste campo formulando votos para que “na Arquidiocese de Braga continuem a surgir pessoas com competências na área da música e componham a música de que precisamos”. Não deixou de reconhecer na obra de Joaquim dos Santos a “marca de qualidade na música que é interpretada nas celebrações”. Como ele tem razão!
Não dá para entender como se encontram à venda, em livrarias da Diocese, obras sem qualidade quer nos textos quer nas melodias, e sem o “imprimatur” da competente autoridade. No mínimo, nunca deveriam estar na mesma prateleira daquelas que têm o selo de qualidade. Vieram mesmo a propósito as palavras do amigo de longa data de Joaquim dos Santos, o Bispo D. Joaquim Gonçalves, no dia 25 de Junho. Depois de agradecer a amizade e os múltiplos poemas, da sua autoria, musicados pelo compositor falecido frisou: “isto de compor não é para qualquer um mas para especialistas” criticando as sonoridades que se ouvem em algumas celebrações. Referindo-se à laicização crescente que já avança para dentro dos templos referiu as “modinhas actuais que contaminam a música sacra” e advertiu os grupos corais (e, naturalmente, os seus maestros) que “não se podem arrogar o direito de trazer para dentro das igrejas o que lhes apetece”. Isto numa clara referência à “marca de qualidade” de que D. Jorge se havia falado.
O Presidente da Câmara de Cabeceiras fez uma síntese, para o DM, da personalidade de J. Santos que partilho inteiramente: “um homem simples, um sacerdote devotado e um compositor genial que muito honrou, honra e honrará Cabeceiras de Basto e as suas gentes”. E eu acrescento: também a Diocese de Braga e a Igreja de Santo António dos Portugueses em Itália onde apresentou as melhores obras concertísticas. E por cá conhecem-no?
Resta-nos preservar a sua memória, desejar que a sua obra seja dada à estampa, estudada, executada e que a humildade e simplicidade próprias de grandes compositores como ele, M. Faria e Fernandes da Silva encontre discípulos. Costa Gomes

Sem comentários: